Trade-in na concessionária: 5 dicas para não sair perdendo

Quando os proprietários de automóveis vão ao mercado para comprar um veículo novo, eles geralmente querem colocar seu veículo antigo à venda.  Eles podem vendê-lo em particular, o que requer um certo trabalho, paciência e risco, ou eles podem trocá-lo em uma concessionária de automóveis.

Esse é o processo de trade-in na concessionária, que refere-se a qualquer veículo que um comprador de automóveis pretenda vender a você como parte de um acordo na aquisição de outro veículo (novo ou usado).

Para concessionárias, os benefícios do trade-in são diversos, incluindo o aumento de receita e negociações, e a possibilidade de criar um forte relacionamento com o cliente. Contudo, para usufruir desses benefícios, é preciso cuidado na hora de avaliar o veículo.

Acompanhe conosco e veja nossas 5 dicas para sua concessionária não sair perdendo na troca!

1. Verifique se o cliente é cuidadoso e evite carros customizados

Uma das questões que mais desvaloriza um carro no trade-in na concessionária é o estado de conservação. Pintura riscada, amassados e outros fazem o preço de venda cair, e isso deve refletir no valor que você “pagar” para o cliente no usado dele.

Customizações também podem ser um problema, visto que pode ser difícil encontrar um comprador que tenha o mesmo gosto do antigo dono do carro. Quanto mais próximo das características originais de fábrica o veículo estiver, melhor será.

2. Cheque se o veículo está em dia com as manutenções

Nem todo mundo segue as recomendações de revisão do fabricante certinho. Por isso, é importante checar se o veículo está com as manutenções em dia, principalmente se ele ainda estiver no período de garantia.

Carros que fizeram todas suas revisões na concessionária, sem dúvidas, serão mais fáceis de negociar na hora de colocá-los à venda.

3. Conheça bem o mercado

Na hora que o cliente é atendido pelo seu vendedor para fazer o trade-in na concessionária, este precisa estar munido de informações sobre o mercado para analisar e avaliar determinado veículo que será colocado na negociação. Foi-se o tempo em que os vendedores conheciam todo o mercado, pois este era composto apenas de quatro fabricantes e seis segmentos.

Além da vasta variedade de marcas e modelos disponíveis atualmente, há também os diferentes opcionais oferecidos, o que torna complicado acompanhamento do mercado pelo vendedor sem o auxílio das ferramentas corretas.

4. Tenha uma estratégia de trade-in

Você precisa de uma estratégia de compras para usados. Fazer isso nada mais é do que esboçar qual será a ofensiva adequada para vender mais, entendendo o perfil de veículo que lhe é mais interessante.

Entenda bem como funciona o mercado de usados e seminovos, qual a demanda de cada veículo, quais são seus concorrentes, quais são os indicadores de giro, entre outras informações para entender com clareza seus limites de compras por modelo, marca, ano de fabricação, quilometragem etc.

Ao ter uma estratégia mais agressiva, seguindo, por exemplo, a tabela Fipe, você certamente trará ganhos expressivos à concessionária, tanto na operação de novos quanto na de usados.

5. Invista em um elevador automotivo

Os elevadores automotivos são equipamentos geralmente hidráulicos que servem para elevar um carro até certa altura. Com a capacidade de suspender e manter suspensos carros de todos os modelos, o elevador permite uma melhor visualização do motor e da parte inferior do veículo como todo.

Por isso, concessionárias só têm a ganhar investindo nesse equipamento. Bem sabemos que uma boa avaliação das condições do veículo (principalmente do motor) é importante para não sair perdendo na troca, e o elevador automotivo auxilia a fazer essa avaliação com mais cuidado e a pagar um preço justo no usado do cliente!

Conheça os elevadores automotivos da Engecass e veja como eles podem agregar valor ao seu negócio e fazer com que você não saia perdendo com o trade-in na concessionária!